Páginas

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

A pipa chegou em terceiro

foto: Claudio Reis/PlanetKart
MANECO COMBACAU.
Este é o homem da foto do post anterior, a qual foi tirada logo após uma prova de karts em Ribeirão Prêto na década de 60. Aqui está esta personalidade do kartismo nacional com o mesmo sorriso de 40 anos atrás, fazendo muita gente sorrir ao seu lado, como o seu amigo Chiquinho Lameirão no canto esquerdo da foto.
Ele não foi. Ele É!!! O kartista mais querido que o Brasil já conheceu.
No ultimo sábado, 31 de Janeiro de 2009, Maneco foi homenageado no Kartódromo Granja Viana por amigos e um pequeno grupo de kartistas amadores que pela faixa etária sabiam quem ele é, mas jamais o viram. Uma prova simbólica trouxe a essas pessoas a honra de receber bandeira quadriculada de Maneco Combacau com Chiquinho Lameirão ao seu lado. Giberto Gallucci, o vencedor, recebeu o cumprimento de todos nós e enquanto as habituais conversas de box rolavam soltas chega Anísio Campos. Com um gesto típico dos grandes amigos, Anísio deu início às homenagens ao Maneco presenteando-lhe com uma ilustração belíssima que caracteriza muito bem a fase pioneira do nosso kartismo, que Anísio também acompanhou.
foto: Claudio Reis/PlanetKart

A satisfação redobrada veio quando Maneco entregou troféus aos participantes. Seis ´rapazes´ na faixa dos 50 anos sentiram-se como adolescentes na presença do ídolo que estava lá para ser homenageado.
Num país onde a memória não é cultivada, há muita gente que não sabe o imenso valor que há em estar ao lado de um expoente do mesmo esporte que pratica. E esse é um lado de Maneco que impressiona. Fora a personalidade incrivelmente carismática, é tambem muito gentil no trato pessoal e mostrou isso ao entregar os troféus aos participantes com o seu característico sorriso e bom humor. Este sim é o esportista que o Brasil precisa. A pessoa que tem consciência do que representa, aliada à simplicidade do ser que aproxima outros de si sem barreiras desnecessárias.
Chega a hora dos agradecimentos e citações. A satisfação que o grupo sentia era contagiante. Nunca na minha vida tive a incumbência de falar em público tendo ao meu lado uma personalidade. Mas não me senti intimidado pela possibilidade de uma derrapada. Aí vem mais uma característica de Maneco. Ouve com atenção tudo que é dito, o que mostra o grau de respeito que ele tambem devota aos que o rodeiam.
Não poderia deixar de retribuir Anísio Campos que recebeu um troféu como lembrança. Na sequência outro para Maneco. À nossa frente máquinas fotográficas registraram momentos que não esqueceremos jamais. As palmas que já haviam ecoado desde o início apareceram outra vez. Foi quando fiz um sinal para outra personalidade.
Mais um momento especial. Jan Balder que assistiu Maneco chegar em terceiro na primeira corrida de karts do Brasil, vencida por Cláudio Daniel Rodrigues e tendo Wilson Fittipaldi Jr., o Tigrão em segundo, fez o seu discurso que abrilhantou o momento citando passagens de Maneco Combacau incluindo uma bem humorada. O dia em que Carol Figueiredo numa prova no antigo retão de Interlagos se feriu com uma linha de pipa que foi na sequencia capturada por Maneco. Amarrou a linha no kart e venceu a corrida empinando pipa. À uma pergunta sobre essa situação incomum, Maneco fez seu conhecido humor provacar risadas ao dizer que chegou em primeiro e a pipa em terceiro.
Chega a hora da prosa. O bate-papo. A conversa de lanchonete de pista que eu presenciei muitas vezes em Interlagos. Acho que foi nessa hora que Maneco recebeu uma chamada no celular. Apenas Walter Travaglini, outra fera com F maíusculo do kartismo, chama Maneco para as devidas reverências ao amigão. Lembrança festejada. Waltinho Travaglini não podia estar mas fez questão de lembrar. Quer coisa mais gratificante que uma lembrança do amigo???
Maneco, voce é o kartista que apontou o caminho do kartismo do Brasil que outros campeões seguiram. Uma conta grosseira na internet me diz que temos mais ou menos 70 kartódromos no país. No início de Dezembro de 2008 eu só consegui 31 de Janeiro para a nossa corrida simbólica porque simplesmente não havia agenda antes disso. Se temos essa demanda incrível no kartismo, isso se deve tambem à voce num histórico inicio no kart onde voce se tornou o Professor, como muito apropriadamente Ayrton te chamava. Parabéns por tudo que voce representa no kartismo brasileiro.

6 comentários:

Anônimo disse...

Havia feito anteriormente um comentário, porém minha mensagem não foi registrada !?!?!?!
De qualquer forma, Zé parabéns pela iniciativa, a qual no meu entender deverá ser reeditada. Ressalto e lamento que o brasileiro tem memória curta, mas nós amantes do kart reconhecemos a importância do Maneco neste esporte que adotamos como hobby. Assim sendo, seja para o Maneco ou para qualquer outro expoente do automobilismo brasileiro, devemos sim na medida do possível homenagea-los.
Por oportuno, não poderia deixar de relatar um fato ocorrido no último sábado, ou seja, após a nossa prova, ainda no box, eu e o Zé Pattaro tiramos uma foto com o Maneco. Sem qualquer constrangimento o Maneco nos abraçou, não se importando pelo nosso estado, tão bem caracterizado por nossas camisetas que estavam literalmente molhadas pelo suor. Respondendo diretamente ao comentário efetuado pelo Pattaro a este respeito, o Maneco simplesmente disse não se importar, visto que o suor deve-se a uma grande causa....andar de kart !!!!
Confesso que este comentário sensibilizou-me, pois demonstrou a paixão e a humildade de um campeão !!!!
Abraços a todos
Pep

Mestre Joca disse...

Zé,

Infelizmente compromisso de última hora - problema de saúde na familia - me impediu de estar presente neste memorável evento. E feito no lugar adequado, num kartódromo, onde o Maneco fez nome e fama.
Parabéns pela iniciativa e não deixemos que fique somente nesta.
A exemplo do que lentamente vem ocorrendo com o antigomobilismo brasileiro, a história do nosso kart não pode morrer...

Grande abraço,

Luiz Evandro águia disse...

Parabens pela brihante iniciativa,, nao me avisaram // pena ,, eu gostaria muito de estar presente para dar uma abraço ao Pai do Kartismo brasileiro,, meu amigo Maneco ...
Luiz Evandro águia

José Leão disse...

Estive lá. Não tenho como agradecer por poder participar de tudo isto. O primeiro kart que ni na minha vida foi em 64 pilotado pelo Maneco. Hoje posso dizer que recebi a bandeirada das mãos dele e o que mais me deixou orgulhoso. Poder tirar uma foto juntamente com meus tres filhos ao lado deste gênio.

Abraços a todos pela iniciativa.

Dionisio disse...

Em 1970 Maneco e o Carol fundaram a primeira escolinha de kart do Brasil. A Escola Paulista de Kart. Eu tive o privilégio de ser um dos alunos da primeira turma. Tive o privilégio de ser aluno do Maneco e do Carol. E tive o prazer de correr com eles por mais de 10 anos. Grande abraço aos professores do Dionisio Pastore.

Jose Eduardo disse...

...com licença da palavra e da lembrança;eu,como o Dionisio Pastore e, só para citar mais um o Claudio Carpinelli e seu Berlinette,fizemos a escola paulisa de kart(primeira turma),destes dois e + o meca João, geniais, Maneco & Carol.