Páginas

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Chopperia Zur Alten Muehle - uma história de família

Nota: Já tem quase 30 anos que um amigo meu, médico, me convidou para um chopp e um bate-papo num sábado à noite num bar no bairro do Brooklin. Começava ali mais um capítulo da vida de um imigrante alemão e também uma amizade minha que deu origem a muitas outras e também a muitas estórias. Resolvi contar como esse bar surgiu, movido pela minha amizade longa com a família e outros amigos que lá fiz durante tantos anos. O único problema que enfrentei foi convencer meu graçon preferido a aparecer na foto (sim, até um insignificante como eu tem o seu garçon). Essa figura que já é patrimônio do bar, assim como o bar já faz parte da história do Brooklin, é conhecido por todos como Tattoo por sua semelhança física com o ator Hervé Villechaize que interpretou o personagem Tattoo na série Ilha da Fantasia. A grande diferença é que ele está na ilha do chopp e esta é de verdade. No final do texto seguem o endereço e os contatos. Prosit!!!

Em 1954 Wilhelm Heying, ou Willy como era chamado pelos amigos, veio com mais dois familiares da Alemanha com destino à Argentina mas antes fez uma parada no Brasil afim de visitar o padre Johannes Buescher, um dos fundadores da Igreja de São Judas Tadeu e seu tio materno.
O padre João, como era conhecido, convenceu os três a permanecerem no Brasil, o que deu início a uma história familiar longa e frutífera. Cada um iniciou o seu negócio separadamente. Willy criou em 1968 a Embuarte, uma fábrica de móveis rústicos de madeira no município de Embú, onde hoje existe a famosa feira de artes.
Justamente essa fábrica deu início à mais tradicional chopperia alemã do bairro do Brooklin, o Bar Zur Alten Muehle, ou Zur como acabou ficando conhecido pelos frequentadores.
Os alemães que procuravam a fábrica de móveis de Willy, muitos deles diretores das montadoras do ABC, eram recebidos com cervejas e caipirinhas. Em pouco tempo a casa do fabricante de móveis se tornou ponto de encontro de amigos. Assim surgiu a idéia de criar um restaurante no Brooklin afim de receber essas pessoas que não tinham tantas opções de cozinha autenticamente alemã. Isto se deu em 1980 e na época era comum ver no salão todos conversarem em alemão, enquanto o português estava reservado à equipe que entre outros contava com o barman Chico.
Willy casou-se no Brasil e teve quatro filhos, Werner, Carlos, Walter e Mário, este último infelizmente falecido num acidente automobilístico na insegura Regis Bittencourt no município de Embú.
A decoração é toda de madeira, sendo uma parte fabricada na Embuarte e outra adquirida em fazendas do interior do país como pilares esculpidos por escravos, dois monjolos e parte de uma prensa de madeira. O estofado original das cadeiras já foi substituído mas conservam-se ainda os móveis originais, onde o tampo das mesas é de mogno. Há um belo balcão para o conforto de balcãozeiros como eu, uma mesa retangular ao lado da janela (a mesa hum que é repleta de histórias do bar) e como não podia faltar num bar alemão, uma simpática coleção de latinhas de cervejas importadas e várias ´bolachas´ para copos de chopp. Tem um cardápio típicamente alemão do qual posso afirmar que mantém a qualidade tal e qual desde o início. Acomoda 86 pessoas sentadas, apesar de eu já ter visto este bar com talvez umas cento e vinte na década de 90, tal era a procura que tinha nessa época. Apesar do auge incrível de frequência nesse período, jamais deixou de ser ambiente muito familiar.
No cardápio se encontram os mais tradicionais pratos alemães como por exemplo o Kassler. Nas bebidas há o chopp muito bem servido, whisky, steinhaeger, Jagermeister, vodka, Wacholder que é uma deliciosa aguardente que acabo de provar, vinda da cidade de Blumenau.
Vale a pena conhecer. Fica na Rua Princesa Izabel, 102. Esta rua é paralela à avenida Santo Amaro e é travessa da Joaquim Nabuco. Manobrista do bar na porta.
site - http://www.barzur.com.br
tel.: 11 5044-4669


4 comentários:

Anônimo disse...


PARABENS PELA MATERIA SOBRE O ZUR.
PARABENS À FAMILIA HEYING POR FAZER UM BAR TÃO LEGAL E MANTÊ-LO TANTO TEMPO COM A MESMA QUALIDADE.
E APROVEITO PARA DEIXAR UM ABRAÇÃO AO MEU AMIGO WERNER, QUE PELO UMA VEZ POR MES NOS ENCONTRAMOS NAS PISTAS DO KARTODROMO DA GRANJA VIANA.
GIBA GALLUCCI

Anônimo disse...

PARABENS E OBRIGADO ZÉ.
EM APENAS 15 MINUTOS DE BATEPAPO NO BALCÃO, VOCE TOMANDO UMA CANECA DE CHOPE E EU CONTANDO A HISTÓRIA DO BAR, SEM VOCE TOMAR NOTA DE NADA, APENAS PRESTANDO ATENÇÃO NO QUE EU DIZIA.
VOCE CONSEGUIU REPRODUZIR TUDO O QUE FOI DITO E ALGO A MAIS COM PERFEIÇÃO. ATÉ OS NOMES DIFÍCEIS, COMO O NOME DO BAR E DAS BEBIDAS ALEMÃS.
ZÉ, QUE TAL SER JORNALISTA OU ESCRITOR. TENHO ACOMPANHADO OS TEUS E-MAILS E MAIS RECENTEMENTE O SEU BLOG E PRATICAMENTE TUDO O QUE VOCE ESCREVE, ME DESPERTA MAIS INTERESSE DO QUE NUM JORNAL, POR EXEMPLO.
POUCO DEPOIS DO CARNAVAL DEVO ABRIR MAIS RESTAURANTE NA CIDADE DO EMBU (MINHA TERRA NATAL), E JÁ ADIANTO QUE VOCE SERA CONVIDADO PARA A INAUGURAÇÃO, ASSIM COMO ALGUNS DOS NOSSOS AMIGOS.
QUE TAL, TAMBEM FAZER UM TEXTO DE OUTROS KARTMANIACOS, COMO O GIBA E PAULO STELLA, QUE TAMBEM TEM RESTAURANTES. SOMOS CONCORRENTES, MAS DE VEZ EM QUANDO NOS ENCONTRAMOS NA PISTA DA GRANJA PARA NOS DIVERTIR, INCLUINDO VOCE ZÉ.

ABRAÇOS DO SEU AMIGO WERNER

Zé Clemente disse...

Lieb freund. Fizeste as contas erradas.
Não são quinze minutos e uma caneca de chopp. São trinta anos e alguns barris.
Jornalista ou escritor é um mundo à parte. Poderia te provar que não é meu caso. Isso aqui é só diversão.
Estarei lá com grande prazer na inauguração dessa nova página da família Heying.
Quanto aos nossos malucos amigos kartistas, que ainda não desistiram das suas adolescencias (ainda bem), tenho algumas idéias.

Abraço e obrigado

José Leão disse...

Puxa Vida.

Eu não sabia que a choperia era do Werner.
Dia 22 tem a primeira prova do Amika Senior, já sei onde estarei no dia 21 a noite. Werner, vou tomar umas na sua choperia.

Nesta corrida cheguei em terceiro, mas estava muito sóbrio (assim não tem graça).