Páginas

quarta-feira, 9 de março de 2011

Peixotinho - a filha lembra a saudade do seu herói veloz

Sempre tive a noção de que os motociclistas são pessôas que vêem a vida sob uma ótica particular e são pródigos em dar demonstrações muito pessoais de que gostam de viver. Ao menos era assim quando eu era jovem. Era isso que eu percebia nos jovens da minha geração que tinham uma vida em que a velocidade era ditada por êles próprios nos momentos em que achavam que isso era conveniente. Coisa muito diferente da atualidade em que a maioria anseia por coisas mais lentas para compensar o stress da vida moderna que apenas nos consome.

Viver é uma coisa que tem a implicação de envelhecer acompanhada de satisfações que apenas o tempo transcorrido pode nos dar. Assim sendo há determinadas situações que só podem surgir depois de transcorrido o tempo. Portanto, envelhecer está longe de ser a coisa mais dramática das nossas vidas.

E isso ficou mais uma vez evidente hoje ao ler um comentário num dos meus posts. Em novembro de 2010 publiquei um post com o relato de Jan Balder sobre o fim de Antonio Castro Prado, o Pradinho (neste link aqui). E no final do post mencionei o piloto de moto José de Oliveira Peixoto que faleceu num acidente na entrada do box de Interlagos, ainda muito jovem.

Para a minha surpresa e satisfação, a filha desse piloto que adorava a vida como tantos outros motociclistas que conheci nessa época, teve notícia do meu post e deixou lá o seu comentário, que resolvi reproduzir num post à parte dedicado ao seu pai veloz. Peixoto foi uma pessôa que me marcou pela sua personalidade e ficou na minha lembrança. Infelizmente não tenho uma única foto dele para juntar a esse post, mas tenho depoimento da filha rico em sentimentos, que segue abaixo.

Valeu Christiane!

Infelizmente tragédias deste tipo acontecem... a dor só é sentida por quem fica!!! e a dor, só sabe quem sente! eu senti e sinto até hj, qdo com 9 anos de idade, meu pai "JOSÉ DE OLIVEIRA PEIXOTO", O PEIXOTINHO, com apenas 36 anos de idade, sofreu este fatal acidente e foi prá nunca mais voltar! AI Q DOR!!! AI Q SAUDADES, é com muita emoção, tristeza e revolta, q eu com 36 anos de idade,relembro esta passagem. E com muito carinho q eu agradeço a vc Sr Zé Clemente, por lembrar do meu saudoso, amado e eterno Pai.
Muito obrigada pelo carinho.
Fique com Deus, mta saúde e td d bom prá vc e sua família.
Christiane de Oliveira Peixoto Passini.


Retificação:
Conforme já consta em outro post, Walter Tucano me confirmou que o acidente de fato se deu na saída dos boxes, e não na entrada. Leia nota de retificação no final desse post.

4 comentários:

Rui Amaral Jr disse...

O motociclista é um ser diferente.
Chistiane sei que dói e a saudade é eterna, apenas ele se foi fazendo o que gostava e certamente lá de cima te olha com muitooooooo carinho.

Rui

Anônimo disse...

Zé Clemente...
é com lágrimas nos olhos q posto este comentário, agora com emoção e muito carinho por suas palavras, não tenho como retribuir, só agradecer, pois são pessoas como vc que fazem com que as histórias se tornem um marco. Pois não podemos deixar fatos importântes se perderem na história, agradeço a você por IMORTALIZAR O MEU SAUDOSO, QUERIDO E TÃO AMADO PAI;
JOSÉ DE OLIVEIRA PEIXOTO.



OBRIGADA MAIS UMA VEZ.

Christiane de Oliveira Peixoto.
chpassini@hotmail.com

Anônimo disse...

Rui Amaral;
realmente, ele se foi fazendo o q mais gostava. Depois de tantos anos afastado.... treinando antes da corrida da volta... Nos deixou!
Agora só nos resta a saudades, e a história que está em nossos corações.
Agradeço a todos em nome da família
Oliveira Peixoto.


Christiane de Oliveira Peixoto.

Aline disse...

Sou Carla,sobrinha do sèrgio Ambrogi,melhor amigo do Peixoto,o conheci ainda muito pequena,mas o amava muito,ele era divertido,amigo e especial.Tenho muita saudade um campeão inesquecível.